Central Sicredi Norte/Nordeste
  • Acesse sua Conta
  • Cartões
  • Cobrança

Resenha Econômica

Quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Quarta-feira de resultados positivos entre as principais bolsas de valores. Na Ásia, as bolsas se apoiaram na alta do preço do petróleo de ontem para encerrar esta quarta-feira em terreno positivo, ao mesmo tempo em que aguardam pela decisão de política monetária do Banco Central americano (Fed). Entre as commodities, o cobre teve um dia misto, impactado pelo agravamento das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. Já o petróleo, depois dos picos dos últimos dias, fechou em queda, influenciado pelo avanço dos estoques do óleo na semana passada, conforme mostra divulgação do Departamento de Energia americano. Na Europa, os mercados fecharam o dia em terreno positivo, com os investidores aguardando a decisão do sobre a taxa de juros dos dirigentes do Fed e o pronunciamento de Jerome Powell, presidente do Fed, após a divulgação do comunicado.

Nos Estados Unidos, a decisão da autoridade monetária do país veio como esperado, uma nova elevação de 0,25 p.p. que coloca a taxa a 2,25%. O anúncio da decisão fez com que os índices das bolsas de Nova York, os juros dos títulos da dívida pública americana e o dólar frente ao iene fossem das máximas do dia às mínimas, sinalizando uma migração dos agentes de mercado para os títulos do governo do país.

No Brasil, o Ibovespa oscilou de acordo com os acontecimentos no exterior e no mercado doméstico, encerrando o dia próximo da estabilidade com alta de 0,03%. A divulgação de nova pesquisa de intenção de votos gerou reajustes de posições de alguns investidores, mas não resultou em movimentação em direção única. A decisão de elevação de juros no exterior levou a uma valorização do real frente ao dólar, depois que os dirigentes do Fed reforçaram sinalização de gradualismo na elevação dos juros, deixando a moeda americana cotada a R$ 4,03/US$. Quanto às taxas de juros, as longas caíram, refletindo certo alívio quanto a uma elevação mais rápida dos juros em países desenvolvidos.